segunda-feira, 16 de julho de 2012

Simetria



Tento me perder nestas palavras
Quero escrever o que elas em mim calam
Busco aqui dentro deste peito, uma explicação possível
Que explique algo deste meu eu, incorrigível

E como se fosse uma corda que da o tom da canção
Deixo as palavras fluírem por minhas mãos
E assim elas vão se rabiscando no papel
Partes de mim, que passeiam entre o inferno e o céu

Busco o que não foi feito para buscar
Mais me contento com o caminho, que tenho que andar
E assim como se fosse algo que não tem fim
Eu eternizo os conflitos que existem em mim...

3 comentários:

Natália Campos disse...

Belo poema, meu caro! Meus parabéns.

Artes e escritas disse...

Se o seu Eu é bom, pode ser incorrigível, aceito quando e porque é bom. Não sei quem foi que disse, mas os bons também se incomodam, faz parte da vida. Um abraço, Yayá.

Artes e escritas disse...

Se o seu Eu é bom, pode ser incorrigível, aceito quando e porque é bom. Não sei quem foi que disse, mas os bons também se incomodam, faz parte da vida. Um abraço, Yayá.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Me leve com você...

Create your own banner at mybannermaker.com!
Copy this code to your website to display this banner!

ME ENCONTRE TAMBÉM NO TWITTER! Basta um clik