segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Amor mórbido


Um sono que já não tenho mais
Desde o dia em que roubou minha paz
Uma Tristeza que é constante
E faz da saudade minha maior amante

A nossa cama vive com o cheiro da covardia
Você foi embora, e levou a nossa fantasia
O sonho, de juntos formarmos uma família
Transformou-se no pesadelo de uma casa vazia
                   
Uso a noite para alimentar a solidão
E me lembrar que um dia eu tive um coração
Coração que abandonei quando comecei a sofrer
Por isso não quero nenhuma outra, depois de você...

Saulo Prado

3 comentários:

Vampira Dea disse...

Uma cama vazia é triste, mas pense por outros lados, sobra espaço ou não pq vc pode voltar a ocupar o espaço já que nada nem é insubstituivel

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

Lesto, parti sem seu coração
sem o leito do sabor a mel
sem os lábios rubros
da minha eterna fome
e vinagrei a minha vida
com a solidão do vento
que me despediu
para as margens do silêncio
onde nunca serei quem fui,
um corpo sem desejo
uma vida teu fogo.
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 23/11/2010

Poesias-Franciéle R.Machado disse...

Li o título do poema e pensei, esse deve ser um ótimo poema e ficou muito bom!=D

O amor mórbido é algo que fere, pensando em amor mórbido é algo que lentamente vai fazendo machucados pelo coração, com saudade, pois realmente sentir saudade de alguém é algo que tanto machuca.

Parabéns pelas palavras!

Boa Tarde!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Me leve com você...

Create your own banner at mybannermaker.com!
Copy this code to your website to display this banner!

ME ENCONTRE TAMBÉM NO TWITTER! Basta um clik